quarta-feira, 12 de maio de 2010

"ESTAR SÓ" NÃO QUER DIZER "SER SÓ"...

“Pense nos melhores momentos da sua vida: você estava sozinho ou acompanhado?”
Pode não ser comum, mas há pessoas que não têm nenhuma vocação para constituir família, e nem por isso merecem a cadeira elétrica. Eles simplesmente preferem estar em movimento, não ter amarras, e essa liberdade cobra um preço que, se costuma ser alto para a maioria, para outros pode ser uma dívida fácil de quitar.

Eu bem que gosto de ficar sozinha. Já tive ótimos momentos comigo mesma dentro de um trem, em frente ao mar, lendo um livro. Mas reconheço que os momentos sublimes, aqueles eleitos como inesquecíveis, aconteceram quando eu estava “avec”. Reconhecer isso não faz eu desprezar a solidão, mas me impede de adotá-la como estilo de vida permanente.

Sozinha eu posso ser mais livre, mas não sou desafiada. Compartilhar a vida com alguém exige participação: a gente é impelido a se manifestar, a traduzir em gestos e palavras o que estamos sentindo, e isso engrandece o momento, cria vínculo, avaliza o que está sendo vivido, confere magia ao instante, credibiliza aquilo que está nos deixando emocionado.

Não precisa ser um momento repartido apenas com seu grande amor: pode ser também com os pais, com um irmão, um amigo, até mesmo com desconhecidos. Quando se olha nos olhos dos outros e se compreende o que se está passando, a sintonia se dá, mesmo silenciosa.(...)Pode acontecer entre dois, e também pode acontecer entre muitos. Um estádio de futebol lotado, com a massa gritando pelo mesmo time. Um show vibrante, todos cantando a mesma letra. Imagine se o espetáculo fosse exclusivo pra você: que graça teria?

Estando sozinhos, a sensação interna sobre o que está sendo vivido é quase triste, mesmo que não seja.

Juntos, até o que não parece alegre, fica...

(Martha Medeiros)

Acho que esse é um dos poucos textos da MM que não consegui concordar com tudo...
Normalmente fecho com ela, mas dessa vez discordo dela no que se refere a sensação de algumas situações quando estamos sózinhos. O grande ponto aqui é que ADOOORO ficar sózinha, e diferentemente do que ela diz, vários momentos felizes que vivi eu era a minha única companhia...e foi simplesmente maravilhoso!!!
Acho que não é uma questão de querer compartilhar aquilo com alguém, mas simplesmente de saber curtir aquilo sózinha sem se sentir só.
O que muita (muita mesmo!) gente não sabe é tirar proveito do "estar só"...E isto não significa que estamos sós no mundo, mas que, naquele momento não estamos acompanhados e é possível SIM curtí-lo!!!
Respeito opiniões contrárias. Respeito até mesmo o fato de que pessoas são diferentes, possuem percepções diferentes de um mesmo fato e também são providas de personalidades diferentes....
O que eu realmente queria deixar aqui é uma sugestão: TENTEM ser boas companhias de si mesmo e verão o quanto é possível ter momentos felizes. Mas se acharem tudo isso uma bobagem, esqueçam...é meramente um ponto de vista, uma idéia, uma sensação minha...
Beijo.

2 comentários:

Patty disse...

Olha Jaque...nesse ponto eu fecho contigo!! Acho enriquecedor estar sempre em contato com pessoas, mas a gente só se escuta qdo está só!
Tem muita gente frustrada por aí, usando família, amigos e trabalho pra tapar/postergar resoluções de um monte de 'tranqueira'interna que infelizmente, só a pessoa sozinha mesmo pode resolver ou decidir!
Eu AMO ficar sozinha de tempos em tempos...nem que seja 1 ou 2 dias!
Te adoro :D

andréia sartori disse...

Concordo em gênero, grau e número com vc! Quando li esse texto na ZH, torci o nariz. Amooooooooooo ficar sozinha! Adoro ir ao cinema sozinha; adoro servir um vinho e viajar na internet ou assistir a um dvd; sair de carro e ver o indescritível pôr do sol de Vacaria/RS; tomar um cafezinho na cafeteria; ir na revisteira bisbilhotar o que tem de novo; enfim, fazer coisas banais em cia de "mim mesma"! Meu marido sabe, respeita e "proporciona" seguidamente, saindo com o Pedro para um programa entre eles, que tb é nececssário!
bjs